segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

"I seeeeeeee you"



O sr. Prozac sempre foi assim. Quando ouvia uma palavra ou expressão nova, não descansava enquanto não a aplicasse, nem que fosse para dizer que estava finalmente em terra firme ao sair do banho (já tenho saudades dele assim pequenino).

Hoje, quando chegou, depois daquele abraço, em que ainda salta para o colo, olha bem para mim e diz "Mamã, I see you". Não percebi logo... ainda pensei que ele viesse cheio de vontade de estudar para o teste de inglês de amanhã... mais depressa as galinhas têm dentes... "Não te lembras, do Avatar? I seeeeeeeeeee you! Gosto tanto de ti!" Ahhh!!!

Se eu podia viver sem ele? Poder, podia, mas não era a mesma coisa! Esta frase vem em jeito de desabafo. Agora já não ouço essa frase com tanta frequência, mas ouvi muitas vezes "um filho complica muito as coisas". Não podia estar mais em desacordo. O meu filho proporcionou e continua a proporcionar-me dos melhores momentos da minha vida. Momentos de puro, puro amor, inocência e alegria, que dificilmente teria de outra forma. É o meu sol, todos os dias. É único.

Sim, tomei muitas decisões na minha vida a pensar nele. Sim, sem ele muito provavelmente seriam diferentes. A minha vida teria sido diferente. Provavelmente teria aceite o convite para trabalhar fora do país, quanto mais não seja para mudar de ares e pelo desafio em si, não teria o tempo condicionado por nada nem por ninguém. Mas seria melhor? Tenho a certeza que não. Nem sempre foi fácil, é certo. De nada me adiantou ler tudo quanto havia sobre o sono dos bebés, como os pôr a dormir num instante. Ele contrariava tudo. Parecia que tinha um sensor de altitude. Adormecia muitas vezes ao colo, e bastava eu sentar-me, mesmo com ele ao colo, para ele acordar. Comer era um festival. Isto não é bonito de dizer, mas cheguei, uma vez por outra, a atrasar-me de propósito para não ser eu a dar-lhe a sopa. Acho que não vou esquecer nunca o som do colchão da caminha dele às 4, 5h da manhã. Chegava ao quarto dele e era brindada com um sorriso de orelha a orelha e uma pulga pequena aos saltos!! Depois aprendeu a sair da cama de grades, depois de atirar o cobertor para fora também, aprendeu a andar e nunca mais parou. Muitas vezes desejei que ele tivesse vindo com um comando, para pôr em "pause" de vez em quando.

A escola também não foi (é) fácil. Sim, ele tem energia para vinte, gosta de estar sempre em evidência. É teimoso, e agora começa cada vez mais a querer impôr a vontade dele que, diga-se de passagem, se resume a não fazer os trabalhos de casa porque não acha justo. Já não mata as personagens todas das composições até à terceira linha para não ter de continuar a história e é capaz de passar uma horitas a ler um livro. Não pode falar comigo sobre certas coisas porque não sei os nomes dos Pokemon todos (é impossível saber, esqueço-me sempre e troco-lhes os nomes), mas quer que eu lhe explique porque é que as meninas são tão complexas. Tem uma memória prodigiosa e é capaz de se lembrar de coisas que lhe disse há séculos para se justificar. "Se não acabares os deveres não vais ao treino." ..."Às vezes não te percebo, mamã! Já me disseste mais de uma vez que o que tu queres é que eu seja feliz. Não sou feliz a fazer os trabalhos de casa". Para a próxima pensa antes de falares, sim, mãe?

É lindo. É meigo. Faz-me rir como ninguém. Muitas vezes diz coisas mais acertadas do que muitos adultos que conheço. Nos momentos maus que tive, foi sempre ele que me fez rir, que me deu força para os ultrapassar, mesmo sem o saber.

Complicado? Seria muito mais sem ele. Se eu podia viver sem ele? Poder, podia, mas definitivamente não era a mesma coisa.

12 comentários:

Teclas cor de Menta disse...

que amor :D

Anónimo disse...

Good brief and this post helped me alot in my college assignement. Thanks you seeking your information.

mjf disse...

Olá!
Como eu te percebo:=)
A minha filhota também memdeu e continua a dar muitas alegrias mas muuuitaaas saudades:=((
Tem 17 anos e foi estudar para um colegio Inglês na Suécia desde os 13 anitos....
Imaginas os meus dias???
O meu coração apertadito???
Eu a esconder emoções dela para ela não ficar triste????
Mas a globalização é para eles!!!!

Beijocas
Aproveita bem o tempo em que o tens junto a ti:=)))

Sonhadora disse...

Uau!
Lindo ... eu acho que é tudo isso mesmo, ser mãe deve ser do mais maravilhoso que existe, e o amor sincero que recebemos, os abraços, os beijos são maravilhosos!
Espero um dia experimentar essa sensação ... ser mãe!
Beijocas

Pinkk Candy disse...

"um filho complica muito as coisas"

não gosto nada dessa frase, também! não complica nada, só complica, para quem vê os filhos como um fardo, e não como uma bênção, o amor de mãe é sem dúvida o mais puro e mais bonito!

ADOREI ler as tuas palavras sobre o teu 'Prozac' =D

XOXO

uminuto disse...

e assim as tuas palavras falaram do meu sentir.
a minha tem mais um punhado de anos. se condicionou a minha vida? sim, totalmente.
mas ainda hoje agradeço que o tenha feito, pois isso deu-me os mais belos sorrisos, a mais infinita alegria.
talvez pudesse viver sem ela, não o consigo imaginar, mas que isso me roubaria a alegria de viver, disso não tenho dúvidas nenhumas
um beijo

Libelinha☆ disse...

Hummmm... Assim fico com vontade de ter muitos Gafalinhos, lol!...

Adorei ler as tuas palavras!...

Beijinhos ;P

Lana disse...

lool sabes o que te digo? se proxac's desses se vendessem em farmacias, andava tudo "drogado" =D

Cris disse...

Oi gostei muito do seu depoimento há tanto venho pensando se devo ou não trazer um pequeno ser ao mundo e esse ano acho que isso vai ser decidido... e seu depoimento muito me motiva. Obrigada!!

joao disse...

Olá Nirvana
Ao ler este teu post um dos sentimentos que me acompanhou foi a imensa ternura que se liberta das tuas palavras. Nos tempos de hoje em que toda a gente vive a correr sem terem tempo para nada é reconfortante ver que ainda há quem ame as pequenas coisas e com tempo para dar abraços e colo aos filhos.
Um abraço

maria teresa disse...

Querida Nirvana como me senti dentro da sua "confissão". Hoje avó penso imenso nos meus filhos quando pequenotes (e não só, aguarde)e falamos sobre isso...
Prescindi de muito para ser mãe presente, mas não estou nem um "niquinho" arrependida... Eles foram, são e serão enquanto eu tiver "sentir" o meu farol...
Abracinho e abençoada mãe que "compreende" perfeitamente o seu filho.

Anónimo disse...

Minha amiga, não te consigo imaginar sem o teu filho. A vossa relação é linda. Transpiram cumplicidade. Nota-se que ele é uma criança feliz e tu és a mãe mais babada que eu conheço.
O que ias fazer lá para fora se precisamos tanto de ti aqui? Ainda bem que não foste senão não te tinha conhecido.
Beijinhos
IM