domingo, 29 de novembro de 2009

...

"Quando amamos alguém, não perdemos só a cabeça, perdemos também o nosso coração. Ele salta para fora do peito e depois, quando volta, já não é o mesmo, é outro, com cicatrizes novas. Às vezes volta maior, se o amor foi feliz; outras, regressa feito numa bola de trapos, é preciso reconstruí-lo com paciência, dedicação e muito amor próprio. E outras vezes não volta. Fica do outro lado da vida..."

"O amor não é o que idealizamos, mas antes o que construímos. E a magia de um amor construído reside nos mais pequenos gestos; está em tudo o que fazemos e dizemos. É muito mais fácil de encontrar do que as pessoas imaginam. Para que isso aconteça é preciso que os dois queiram, que os dois acreditem, que os dois consigam olhar para o amor da mesma maneira e para o futuro com os mesmos olhos. E é preciso que tanto um como outro percebam o quanto o amor é importante na existência. É preciso dar espaço ao amor, encontrar-lhe um lugar na nossa vida."

Simples.
Não sei bem o porquê de me terem falado neste livro, ou se calhar até sei. Fez-me companhia hoje. Margarida Rebelo Pinto - O dia em que te esqueci.

6 comentários:

Kika disse...

Tenho a sensação que já li esse livro...

Gemini disse...

Bem, podem chamar a essa senhora tudo o que quiserem, sim, porque eu já "ouvi" por aí muita coisa... Desde "lamechas" a... Mas isso não me importa minimamente, não adoro, mas amo a obra da Margarida.

Nirvana, já leste o "Diário Da Tua Ausência", desta mesma senhora?

Em caso negativo, digo-te desde já que é obrigatório!


Esse que referes, sinceramente, não conheço, mas vou tratar disso...

;)))

Obrigado pela dica ;)

Beijinhos.

Nirvana disse...

Kika
Vale a pena ler, pelo menos eu acho
Beijinhos

Nirvana disse...

Gemini

Também já ouvi muita coisa... mas eu gosto, por isso que importa o que dizem, não é? Há quem não goste de Agualusa e eu também gosto. Também há quem goste do Pinto da Costa e eu não gosto ;).

Sei lá, Português Suave, Diário da tua ausência, ...

Tens razão, obrigatório.

“Quando se ama alguém, tem-se sempre tempo para essa pessoa. E se ela não vem ter connosco, nós esperamos. O verbo esperar torna-se tão imperativo como o verbo respirar. A vida transforma-se numa estação de comboios e o vento anuncia-nos a chegada antes do alcance do olhar. O amor na espera ensina-nos a ver o futuro, a desejá-lo, a organizar tudo para que ele seja possível. É mais fácil esperar do que desistir. É mais fácil desejar do que esquecer. É mais fácil sonhar do que perder. E para quem vive a sonhar, é muito mais fácil viver.”

"Não sei que espécie de caminhante sou, para onde vou, não sei. Nem sei para onde vais. Nem tu sabes. Pode ser que um dia acordes com uma luz nova, uma força desconhecida que te vai trazer até mim… Sei que há uma força estranha que me faz correr para ti, embora nunca, em nenhuma circunstancia, corra atrás de ti, porque não posso, não me é permitido interferir no teu destino e mudar o curso da tua vida. Isso, terás que ser tu a fazê-lo, por ti e para ti, se assim o entenderes. Será que sentes a mesma força? Quero acreditar que sim, mas no fundo começo a sentir que não…”

Muitas das coisas que ela escreve, poderiam ser escritas por tantos de nós, por mim, pelo menos, se tivesse capacidade para isso.

Beijinhos

joao disse...

Comentar ou definir o amor é sempre tarefa complicada.
Será que existe mesmo?
Um abraço

Soraia Silva disse...

às vezes precisamos de ler assim umas boas frases, frases sentidas e verdadeiras.
por vezes tambem nos faz pensar no que exactamente sentimos em relaçao a tudo, dando-nos as reais certezas...

beijinho