domingo, 2 de maio de 2010

Dias de todos os dias


Acabei de falar contigo ao telefone. Não vou estar contigo hoje, mas fico feliz por estares tão feliz com a prenda que te dei. Passeia muito! Disseste que calhou mal por estares fora hoje, dia da Mãe, mas lembraste de algum dia, desde que os teus filhos nasceram, que não fossem dia da Mãe para ti? 

Não vais ler isto, nem sabes que este blogue existe. Provavelmente perguntarias se não tenho mais que fazer. És assim, Mãe. Prática, directa, e cada segundo do nosso tempo deve ser aproveitado em coisas úteis. Somos diferentes, é verdade. Saí ao Pai, disseste-me tantas vezes! Mas, se tu amavas tanto o meu Pai, isso não deve ser uma coisa má. Não eras muito de dar colo, de limpar as feridas. Davas-me a água, o sabão e ensinavas-me a fazer isso eu. Empurravas-me para a frente sempre que queria dar um passo atrás. Ensinaste-me a lutar pelo que queria, por mim, sem esperar ajuda e sem cobrar as falhas a ninguém a não ser a mim. Ensinaste-me o sentido de família. Ensinaste-me o valor de respeitar e ser respeitada. Tornaste possível a realização de muitos dos meus sonhos. Se hoje estou aqui, é graças a ti. Não o esqueço um minuto que seja. Se um dia o meu filho sentir, por mim, metade do amor e do orgulho que sinto por ti, sentirei que não falhei como Mãe. 

Com o tempo, e, penso eu, depois de veres parte da tua missão cumprida, ou seja, os teus filhos encaminhados na vida, respiraste um pouco e vieram os abraços que não tivemos antes. Estás a ficar uma mimalha! E eu fico feliz por te poder mimar todos os dias. Viveste a tua vida em função dos teus filhos, esqueceste-te de ti. Hoje, que sou Mãe, entendo isso tudo, e entendo muitas coisas que não entendia antes. Que só o amor de uma Mãe entende. 

Não gosto muito dos dias disto e daquilo, já sabes. Acho muitos deles uma hipocrisia, em que se tenta, ou se quer, reunir  num dia todos os dias do ano. Em que se esquece durante todos os outros dias a pessoa que se enche de prendas e palavras bonitas num único dia. Se há uma coisa que nunca mais se deixa de ser depois de termos um filho, é Mãe. Mesmo estando longe.

8 comentários:

S. disse...

Adorei cada palavra, como sempre.

Beijinhos enormes

Canhota! disse...

A minha sempre me disse que um dia iria compreender muito bem certas coisas que ela me dizia ou que fazia em relação à minha pessoa, e hoje que sou mãe como a compreendo!!

Mãe é MÂE para sempre!!!

jinhos:)

E. disse...

Bonito texto! :) Feliz Dia da Mãe.

Um Beijinho*

mimanora disse...

Fiquei arrepiada ao ler este teu post e uma lágrima teimou em aparecer...
O texto está lindo mas o sentimento por trás dele é o que mais conta :)
Beijinhos minha querida

CybeRider disse...

Grande mãe! Grande filha! Grandiosa homenagem! Para nós um grande texto, onde se lê o entendimento que o tempo traz e o amor vincula.

Beijinhos, Nirvana!

TouroCeptico disse...

Excelente texto!

Parabéns a todas as Mães!!

Beijinhos

Rita G. disse...

Adorei:) Escreves de uma forma muito forte e emotiva:) bj linda!

joao disse...

Uma prenda muito bonita e cara ao lado destas palavras não vale nada. Sente-se o sentimento com que escreves. Muito, muito bonito.
Do que tenho lido penso que não vais nunca sentir que falhaste como mãe. O teu Prozac parece ser um menino esperto e sabe que tem uma grande mãe.
Hoje, um beijinho