sexta-feira, 14 de maio de 2010

...


Sentada na mesa do café, fazendo horas para ser horas de qualquer coisa, evitava adormecer. O sono continua a ser caprichoso e a não aparecer à hora devida. Vem depois, todo contente, bater à porta quando não é benvindo. 

Encontrei o meu caderninho, perdido no fundo da arca sem fundo a que chamo carteira. Há quanto tempo não o abria! Está cheio de frases, pequenos textos, tentativas tímidas de poemas, desenhos, palavras soltas, datas. Folheando-o, cheguei a uma frase que escrevi há algum tempo. Tanto, que parece uma outra vida, mas não foi assim tanto. Um ano, mais coisa, menos coisa. Leio e releio aquela frase. Tenho evitado pensar nisso. Abano a cabeça, como se de uma mosca se tratasse, sempre que aflora ao pensamento. Canto, danço, mergulho na vida, afastando para longe algo que sei que nunca afastarei. Que faz e fará sempre parte de mim. O não ter tentado. E se tivesse? Se tivesse tentado? Se tivesse dito? Se tivesse feito? A frase é simples, um cliché sobejamente conhecido. "Arrepende-te apenas daquilo que fazes". Escrevi-a, como se o acto de a escrever a pudesse transformar no acto que anunciava! Não tentei, não disse, não fiz. Ficou apenas o se. E a recordação. A recordação de algo que não fiz. A recordação do que poderia ter feito, que mais não é do que o reflexo do que perdemos por não tentarmos. O não está garantido à partida. Tentar poderá transformar esse não num talvez. Poderá confirmar o não. Mas valerá mais um não confirmado do que um talvez não tentado.

8 comentários:

mjf disse...

Olá!
" "Arrepende-te apenas daquilo que fazes" dizes tu!!!!

hum
Eu arrependo-me mais do que não fiz :=))


Beijocas

Nirvana disse...

Olá, Mjf
A ideia era precisamente essa :), a arrepender-me que fosse do que fiz, porque arrepender-me do que não fiz é muito pior. O tempo passou, a oportunidade também, e ficou o se. E o se é um chato que não nos larga!
Beijinhos :)

Kika disse...

Tentar sempre, arriscar sempre, que mais vale um risco que correste do que um de que fugiste!

Psiuuuu!!Sou eu! disse...

Olá,
Já tinha saudades de comentar os os vossos cantinhos.
Sabes esta reflexão e a do vestido vermelho, fizeram-me pensar... esta foi durante muito tempo uma questão que pairou por aqui...o se... não fugia do pensamento, mas voltei a ter oportunidade e esse se tornou-se real, dado o rumo, não sei se o faria de novo, mas ainda á pouco tempo deixei-o de lado e fui em frente...
Continuo achar que o "se" não concretizado não nos deixa encerrar os capítulos e é certo que não podemos voltara atrás, que pelo menos nos sirva de lição para o presente!
Um bom fim-de-semana :)
Bjinho

Libelinha☆ disse...

O facto de não teres tentado já é fazer alguma coisa... Se tomaste a decisão de não o fazer... Não vale a pena ficar presa a esse "SE"...
Pensa antes que se a vida fez com que não tentasses, com que não arriscasses é porque não o tinhas de o fazer!...

Beijinhos ;P

Checa disse...

Querida amiga,
Se não tentarmos ficaremos sempre na eterna dúvida, e a dúvida corrói a alma. É como dizes, o não está sempre garantido, e se tal acontecer podes encerrar esse capítulo com a certeza e a consciência de que pelo menos tentaste.Eu só me arrependo do que não fiz, porque o que fiz está feito, bem ou mal já não interessa, até porque não dá para passar uma borracha e simplesmente apagar o passado, mas é sempre possível escrever um novo futuro.

Bjinho enorme

Rita G. disse...

Eu arrependo-me de algumas coisas que não fiz...:( bj

joao disse...

Deves pensar porque não fizeste. Se fosse hoje fazias? O que te impediu há um ano continua a impedir decisões semelhantes hoje? Não fizeste isso mas fizeste outras coisas. Os se que deixamos ficar nunca têm resposta.
Um abraço