quinta-feira, 18 de março de 2010

Reset vs Delete


O que complica a nossa condição de seres humanos,  é a nossa capacidade de pensar, de sentir, de pensar o sentir e sentir o pensar. Também é isso que nos torna humanos. Pelo menos a alguns de nós. Não agirmos sempre como confirmação do reflexo pavloviano de causa-efeito. Não fosse este pequeno pormenor, e tudo seria mais fácil. 

A informática, por exemplo, é complexa. Não a minha informática, claro, mas a informática dos génios que elaboram os programas e descobrem estas coisas todas que depois nós só usamos. Mas, dizem, é simples. Linguagem matemática. Há duas funções no computador que, embora por vezes tenham o mesmo efeito, são completamente diferentes. Reset e Delete.

Reset implica recomeçar. Quando o computador bloqueia, quando lhe dá um vaipezito, quando tem actualizações a fazer. Por vezes fazemos reset voluntariamente, por vezes não temos opção. Mas fazemo-lo sempre com a esperança que o que fizemos, o que estávamos a fazer, não desapareça da memória do computador. Rezamos aos santinhos todos para que aquele trabalhinho não tenha desaparecido. Enquanto ele recomeça, ficamos de olhos pregados ao écran e suspiramos de alívio quando o trabalho se salvou. Porque, embora tenhamos que recomeçar, queremos guardar o que fizemos.

Delete implica apagar. Fazer desaparecer. Excepto quando carregamos na tecla por engano, é uma acto deliberado. Seleccionamos o que queremos apagar e apagamos. Se foi por engano que o fizemos, vamos à reciclagem. De outra forma, vamos à reciclagem e eliminamo-lo para sempre. Até porque a reciclagem começa a encher, a memória a ficar cheia de informação que não interessa, e o computador a ficar mais lento. 

Se o reset implica esperança, o delete implica perda. Se o reset significa que, embora seja para ficar arquivado, queremos fazê-lo porque queremos guardar na memória aquela página, não queremos perder o seu significado, o delete significa que nada ficou, nem queremos que fique.

Reset? Delete? Hesitamos muitas vezes. Não gosto do delete. Não gosto mesmo nada. Mas se ele existe, é por algum motivo, digo eu. Talvez a vida precise mesmo de um botão Delete.

32 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Não creio que o "delete" funcionaria em nós. Acho que no fundo não queremos apagar certas coisas, mesmo quando dizemos que sim, agora recomeçar isso sim, isso dava muito jeito, faz falta, dava-nos outro ânimo e facilitaria-nos a vida!

PS: Obrigado pelas palavras e obrigado por não leres a "Bola"!Lol

Mariana marciana disse...

Fazer "delete" na vida significaria que um determinado acontecimento seria completamente eleminado, não restaria nada dele, se isso acontecesse, uma parte da nossa vida teria sido completamente em vão e a vida nunca é em vão, de tudo se tira uma licção, tudo nos molda e nos transforma em algo ligeiramente diferente.
Por muito que às vezes doa (e às vezes doi mais do que pensamos que conseguimos aguentar) ainda bem que a vida não tem um "delete button"

by " A Invisível " disse...

Querida Nirvana;

Se existisse esse botão "delete", usaria com toda a certeza, para apagar certas "coisas" que preferia não me lembrar...

Beijinho grande* Minha Amiga*

(JÁ AGORA, ISTO AQUI PASSOU A SER UMA TERTÚLIA??? É?!)

Ó TERRIBLE, que estás aqui a fazer?? E tu MARIANA SICILIANA?! :)

Beijinhos aos 3 (meus amigos)!!!! :)

*C*inderela disse...

Acho que não se perdia nada em haver um botão delete na nossa vida :) Mas viver é aprender e temos que aprender com os erros e 'reiniciar' tudo.

Bjokas*

Libelinha☆ disse...

Sou contra o botão "delete" na nossa vida, pois por mais grave e má que a experiência seja devemos recordar pois aprendemos sempre algo com ela!... E se a apagássemos não nos iríamos lembrar e quem sabe não cometer o mesmo erro vezes sem conta?!...

Beijinhos ;P

Mário Rodrigues disse...

Sapiens?

O grande drama do ser humano, foi ter passado a ser humano. Enquanto antropóide tudo era mais simples...

© Mário Rodrigues - 2009

In:http://recantodossuricates.blogspot.com/2009/05/sapiens.html

João Lopes disse...

Muito bom post...
Na área da informática posso dizer que lhe dou uns "toquizitos". Mas é engraçado como podemos trazer a linguagem máquina, o raciocínio lógico de um programa, até mesmo as terminologias usadas num computador para a vida de um simples humano.
Segundo os informáticos, para elaborar-mos um programa para ultrapassar um determinado problema de um computador, temos de regredir na nossa dita lógica de problema. Não podemos complicar. Temos de pensar no problema como se fossemos uma criança de 6/7 anos. Eles sim... não complicam e conseguem alcançar uma resolução para o problema mais simples e eficaz.
Nós adultos, caímos no erro de pensar vezes em demasia no "e se", meter-mos pensamentos no problema que nem sequer têm razão de ser...
Com isto digo que a idade trás nos complicações, métodos de pensar mais elaborados, mais complexos, o que nos faz, por vezes, ter mais dificuldade em ultrapassar os problemas...
É tudo mais simples quando pensamos num problema como se fossemos um programados informático. Dividir o problema em problemas mais pequenos. Assim o problema fica mais fácil de atacar. Basta atingirmos a solução aos pequenos problemas... Mais tarde ou mais cedo o problema grande desaparece.

Gostei muito do teu post. E fizeste-me pensar. O que significa que mais tarde ou mais cedo, vou ter de escrever sobre isto no meu bloguezito =)

Beijinho e desculpa o desabafo

maria teresa disse...

Este seu deambular entre o reset e o delete fez-me sorrir... A analogia entre estas acções ou funções a nível do computador e a vida real é perfeita.
Abracinho

Bloguótico disse...

Para fugir um pouco à seriedade desse bom texto, deixa-me dizer que normalmente, depois de dizer uma ou outra coisa mais estúpida do que o normal, além do "DELETE", pressiono o "CTRL"+ "ALT"! :D

Canhota! disse...

Nunca dois nomes com funções diferentes, dados a dois simples botões, tem tanto em comum com a vida real!

O delete é aquele que eu ultimamente tenho utilizado mais!!!

Mas por vezes o reset também uso e ajuda muito ou se ajuda!

Bonito post! gostei muito mesmo!

jinhos :)

CybeRider disse...

Há vários lados distintos nesta reflexão. Por um, há quem acredite que Delete e Reset existem na vida, percutidos pela fé ou por mera inconsciência. Ao contrário do que possa parecer isso não nos torna melhores, porque reserva no inconsciente a possibilidade de segundas chances. Por outro, há quem pense que pode utilizar esses comandos nos outros, como se de máquinas se tratassem, para os subjugar a princípios em que não acreditem. Somos complexos.

Não acredito que fosse positivo possuirmos realmente essas possibilidades. Na dúvida de não as termos ainda nos agarramos a valores que nos permitem manter alguma dignidade, que nos evitam cargas demasiado pesadas até à hora do juízo final. Seria melhor de outra forma? Já assim julgamos sempre merecer o perdão dos outros quando cometemos algum erro grosseiro ou tiramos acidentalmente uma vida, ou causamos algum dano irreversível. Como seria se soubéssemos de facto que essa irreversibilidade podia ser anulada?

Boa malha, Nirvana. Beijinho.

Cris disse...

Muitas vezes gostaria de ter um delete para mim e para o outro...

siceramente disse...

Eu nunca uso o delete, prefiro a fenix :)

Girl in the Clouds disse...

Eu acharia esse botão bastante útil, dava muito jeito, sorte de quem tem essa capacidade!! Uma vez já falei de algo parecido no meu blog!!

joao disse...

Mais um post à Nirvana :). Excelente analogia, cara Nirvana. Excelente post, a começar logo pela primeira frase, pensar e sentir.
O delete é o derradeiro grito, a libertação. Deveríamos usa-lo mais vezes.
Um abraço

Miss Complicações disse...

Ouvi falar em complicações? A menina chamou?
Pois bem... ora imagina a tua vida apenas com dois botões: um de on e um de off. Como seria? Uma seca, certamente e, no fundo seriamois máquinas.

Deixe lá estar as complicações que é isso que faz de nós humanos ;)

Nirvana disse...

Terrible
Às vezes gostava, gostava mesmo de ter um botão delete. Dava-me um jeitão!
Eu ia dizer ler a Maria :))
Beijinhos

Nirvana disse...

Mariana
Tens razão no que dizes, e eu sei que é assim. Tudo é importante para o nosso crescimento. Mas há uma coisinhas que eu chamo pragas que não faziam falta nenhuma. Ficava com o ensinamento e apagava o resto :)
Beijinhos

Nirvana disse...

Invisívelzinha
Isto é uma tertúlia séria, sim??? Loll!!
Eu também usava, minha Amiga, sem hesitar!
Beijinho grande :)

Nirvana disse...

Cinderela
Eu acho que não se perdia nada, só mesmo o que não interessava :))
Beijinhos

Nirvana disse...

Libelinha Linda
Mesmo sem o delete faço isso! Não sempre, mas por vezes!
Beijinhos

Nirvana disse...

Mário
Foi aqui que a evolução nos trouxe? Sermos pensantes, ao invés de nos tornar melhores tornou-nos assim?
Beijinhos

Nirvana disse...

Olá João
Em informática, os meus toques são muito rudimentares.
Deve ser por isso que as crianças conseguem ser sempre felizes, mesmo por vezes estando em condições adversas. Não complicam.
Dividir o problema em problemas mais pequenos parece-me uma ideia fantástica!
Obrigada pelo teu comentário. Excelente.
Beijinhos

Nirvana disse...

Maria Teresa
Acho que a vida é um eterno reset, com alguns delete pelo meio :)
Obrigada :)
Beijinhos

Nirvana disse...

Bloguótico
:)) Espero que não o faças muitas vezes, porque eu quero continuar a rir muito lá no Crónica!
Beijinhos

Nirvana disse...

Canhotinha
Às vezes pergunto-me quantas vezes tenho de continuar a fazer reset. Por vezes também cansa, mas ao mesmo tempo, há alguma esperança.
Ultimamente, tenho pensado mais no delete. Falta de paciência. Ou então é da idade :))
Beijinhos

Nirvana disse...

Cybe
Somos bem mais complexos do que julgamos, é certo.
A esperança nas segundas chances é de facto o que nos move, porque tal como acontece connosco em relação aos outros, também nós podemos estar no botão delete de alguém.
Falo em querer um delete, mas no fundo, Cybe, apenas queria uma desculpa, uma forma de lidar com aquelas coisas com que não aprendi a lidar. Uma forma de resolver o que eu não sei compreender e resolver. Inconsciência, talvez :)
Beijinhos, Cybe

Nirvana disse...

Cris
Eu também, mas acho que tenho de aprender a fazer isso sem o botãozinho!
Beijinhos

Nirvana disse...

Siceramente
Renascendo...parece-me bem!
Beijinhos

Nirvana disse...

Girl
Somos duas, então!!
Beijinhos

Nirvana disse...

João
Mas é verdade. Se não pensassemos tanto, se não tentassemos racionalizar tanto o sentir, se não pensassemos tanto no que deviamos ou não sentir, seria bem mais fácil. Mas por vezes não temos outra hipótese, e muitas vezes é um caminho sem saída.
Beijinhos, e obrigada :)

Nirvana disse...

MissC
Tu mandas!! :))
Seria uma seca, talvez, mas só às vezes, dava jeito :)). Assim, de vez em quando :).
Beijinhos