quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Sol e o Frigorífico



Não é que a gaivota apareceu mesmo no momento certo! :)

Fins de tarde assim, no fim de Outubro, são para aproveitar. (Não estou a desgostar nada deste Outono, apesar de não achar nada normal comer castanhas assadas de manga curta na varanda).  Acompanhada por uma coca-cola (eu sei, não faz muito bem!) e um livrinho, foi um final de tarde muito bom.

O livro, lê-se de uma assentada só. Algumas páginas têm apenas uma ou duas linhas escritas. Um livro light. Ou assim pensei, quando o comprei. O conceito do livro, escrito em pequenas notas, pareceu-me engraçado.

"Claire e a sua mãe vivem na mesma casa, mas, para todos os efeitos, é como se vivessem em planetas diferentes. As duas raramente se cruzam, e a porta do frigorífico acaba por se tornar a plataforma de contacto onde deixam recados uma à outra e se vão mantendo informadas acerca dos acontecimentos das suas vidas. Mas um dia Claire depara-se com um recado diferente do habitual, e a partir daí terá de lutar contra a distância que as separa e contra o tempo que se esgota… A Vida na Porta do Frigorífico é uma narrativa que mergulha no íntimo de uma relação entre mãe e filha e os sentimentos de apego, culpa, ressentimento e frustração que a convulsionam. Uma mensagem universal sobre o amor e a perda."

 

Trata-se de um livro diferente. Um livro muito simples, de leitura fácil, mas ao mesmo tempo difícil. Começamos na primeira página e estas vão-se sucedendo, à medida que a troca de notas entre as personagens aumenta e se torna mais pessoal, mais real. Ao fim de pouco tempo, acabam, e ficamos com a sensação que a história é interrompida abruptamente.

A história passa-se demasiado depressa. Faz-me pensar na rapidez com que tudo passa, sem por vezes, não digo darmos, porque damos, mas sem demonstrarmos a quem realmente gostamos o afecto que temos, sem lhes fazermos ver o quanto são importantes para nós, sem paramos por uns minutos para um abraço, porque o tempo corre e temos de estar em todo o lado ao mesmo tempo, e queremos fazer tudo ao mesmo tempo.

7 comentários:

Libelinha disse...

Deste-me vontade de ler o livro...

Beijinhos ;P

Sonhadora disse...

O livro parece interessante!Fiquei curiosa, acho que vou comprar o livro! O tempo realmente passa muito depressa, e acho que por vezes nem nos apercebemos disso!
Bjocas

Galahad disse...

Lá tenho de ir a uma livraria...

Beijinhosssss ;)

ps: vai cuscar o mail ;)

uminuto disse...

fiquei interessada na leitura do livro...e também eu estou a gostar deste outono solarengo
um beijo

Psiuuuu!!Sou eu! disse...

Pois...é isso mesmo a vida passa muito depressa e muitas vezes, pelo corre corre, deixamos para trás o mais importante e o que realmente dá sentido a ela que é as pessoas! Prece-me muito interessante o livro e de certeza que acabamos por nos rever nele... Passamos demasiado tempo sem dizer quão importantes as pessoas são para nós. Tenho tentado mudar isso na minha vida e espero conseguir!
Bom fim-de-semana :)
Estou a gostar muito deste Outubro, também... mas não é muito bom que assim seja, mas há que aproveitar!
Bjito

PB disse...

Olha grande programa! Adoro ler, comer castanhas e coca-cola então... Lolololol
Beijinhos

Nirvana disse...

Uma das frases que retive desse livro foi

"Tiraram-me tudo das mãos. É que eu não controlo nada, Claire. Não posso controlar o que me está a acontecer, e é isso que é verdadeiramente assustador".

Esta frase, entre muitas, fez-me pensar na vulnerabilidade da vida, em como tudo pode mudar num segundo. Imaginei-me a mim no lugar dela. Eu, com a minha vida, com o meu filho. Se me dissessem "tem um cancro da mama", se me visse a morrer, a piorar de dia para dia, como ia ser. Claro que não estou livre de atravessar a rua e vir um maluco a 300 à hora e me passar a ferro, mas essa espera pelo fim, a esperança de mais um dia. Ficaria muito triste, não pelo que vivi, mas pelo que iria deixar de viver, concretizar os meus objectivos, ver o meu filho crescer...

O livro é muito, muito simples. Li-o numa hora e pouco, mas tocou-me.

Libelinha
Benvinda! Obrigada pela visita!

Sonhadora
Passa mais depressa do que aquilo que contamos, sem dúvida! Por isso mesmo, não podemos deixá-lo fugir demasiado!

Galahad
Olá! Wellcome back!!

Uminuto
Outono, Outoninho, continua assim bem quentinho!

Psiuuu
Eu acho que é importante não só gostarmos, como demonstrá-lo. Pelo menos, eu preciso de o fazer!

PB
Coca-cola, um mal necessário. Lol... o problema é que tenho de fazer mais umas corridas ;)


BEIJINHOS