segunda-feira, 18 de outubro de 2010

By The Way XCI - Walk a mile in my shoes

Todos nós analisamos, avaliamos, fazemos juízos de valor. É inevitável, penso eu. Desde crianças, somos confrontados com o mundo, com as pessoas, com informação e mais informação. Vemos, ouvimos, vivemos, filtramos, seleccionamos, assimilamos. E avaliamos conforme os nossos princípios, os nossos gostos, as nossas crenças, a nossa realidade. Até conforme o nosso estado de espírito. Por vezes coisas que, em dias mais solarengos nos passariam ao lado com um encolher de ombros e até um sorriso, em dias mais sombrios podem-nos levar a pensamentos e palavras menos simpáticas. Claro que nós, mulheres, podemos sempre culpar as hormonas por não estarmos de tão bom humor! É do conhecimento geral que estas meninas têm vontade própria, livrando-nos a nós de toda e qualquer culpa! 

Mas, voltando às avaliações, quando avaliamos ou julgamos alguém, não nos podemos considerar donos e senhores do saber.  Se nos achamos no direito de julgar alguém, devemos achar também que não devemos nem podemos fazê-lo impunemente, que podemos não conhecer todas as circunstâncias que rodeiam uma ou outra situação.  As pessoas são, ou podem ser, mais do que aquilo que mostram. O facto de as pessoas não andarem a apregoar os seus problemas em cada esquina, não quer dizer que não os tenham. O facto de as pessoas se esforçarem por não esmorecerem, por não quebrarem, por tentarem manter esperança, por tentarem viver a vida o melhor possível, não quer dizer que as suas vidas sejam rosas sem espinhos. Não seria má ideia se, de vez em quando, antes de a boca se abrir para criticar ou julgar, as pessoas tentassem, pelo menos tentassem, pôr-se no lugar dos outros e Walk a mile in their shoes.

By the way, esta música dos Fingertips é fantástica!


I'd like to show you my world 
For you to see how I feel
.......
Walk a mile in my shoes
 
And what will you do when it's over? 

12 comentários:

S. disse...

Concordo contigo a 100%, o problema é que as pessoas adoram julgar e ninguém quer ser julgado. É difícil avaliar as pessoas que não conhecemos, todos temos tendência para o fazer, mas acima de tudo temos de saber quando parar, quando estamos a exagerar e quando estamos errados.

Beijinhos grandes

P.S. Ando enganada nesta vida, pensava que a música era da Ana Free:P

Mariana marciana disse...

Walk a mile in my shoes... verás que parecem lindos mas magoam os pés, verás que posso sorrir mas não sem uma grande dose de sacrifício...
Acho que a inveja, mesquinhez mesmo, é a principal causa de alguma críticas levianas.
Surgem da boca de pessoas que não querendo "pagar o preço" mas que gostariam de colher o benefícios.
Não vale a pena ligar-lhes.
Bj

A.Menina disse...

Ao ler o teu texto lembrei de um estudo que li já há algum tempo onde falava que a nossa opinião sobre alguem é formada nos primeiros 30 segundos que a observamos... dá que pensar né?

siceramente disse...

e depois aparecem os parvinhos do: a minha intuição nunca falha!
Gostei do post*

L'Enfant Terrible disse...

O problema é que falar e julgar é fácil, já tentar compreender é dificil, por culpa de quem escuta mas também por culpa de quem diz algo porque nem sempre dá "sinais" que se percebam.

Malika disse...

Nirvana, visitar o teu blog é bálsamo, pois acontece encontrar aqui a palavra certa e no
momento certo... numa conversa que tive ontem com uma querida amiga - e acrescento que temos pontos de vista diferentes em muitas coisas e talvez por isso nos damos tão bem e apreciamos a companhia uma da outra - rematei citando uma máxima "não olhes para o que eu digo, olha para o que eu faço"

Kika disse...

Muito bem escrito. Não gosto de avaliar os outros porque penso sempre a velha máxima: "só quem está no convento é que sabe o que lá vai dentro". E a minha própria vida pode parecer aos outros uma coisa que não é...

Checa disse...

Querida Nirvana,

Acreditar que alguém não sofre só porque os olhos nada exprimem é um erro fácil de cometer, principalmente porque quase nunca estamos atentos aos sinais...

Beijinho

Anónimo disse...

Pois é Nirvana, mais umas PALAVRAS MUITO BEM DITAS, MUITO BEM PENSADAS.
Criticar é fácil, mas ouvir as críticas dos outros, isso aí, já é mais complicado. Por vezes a verdade doi mas, tal como os medicamentos, funciona como uma tentativa de cura para que, pelo menos, a pessoa perceba que pode corrigir-se.
Não gosto de formar juízos de valor ácerca de pessoas que mal conheço. Claro que já me enganei, umas vezes pela positiva, outras pela negativa, por isso, agora, tento ser cautelosa.
Bj

PB disse...

Gostei do post e da música! Dizes algumas verdades, mas torna-se quase inevitável não fazer esses juízos. Podem é não estar de todo correctos...
Beijinhos

Canhota! disse...

Muitos dos problemas da nossa sociedade é existir alguém que pensa que é dono e senhor do saber, da razão!

Todos nós julgamos e criticamos mas o que marca a diferença é o sabermos colocar no lugar dos outros de forma a tentar entender o porquê de muitos tipos comportamentos e reacções.

excelente :)

Di disse...

Acho que as pessoas dizem ser tudo aquilo que querem ser, mas depois não gostam de ver o mesmo nos outros. Por exemplo, toda a gente diz que é sincera e honesta, mas quando és sincera e honesta com essas pessoas elas viram-se contra ti... O mundo é feito de pessoas que querem ser e não de pessoas que são.
Eu tenho 20 anos e sei quem sou, pelo menos parte do que sou, porque há muito que vou descobrindo.
E estou muito bem nos meus shoes x)

Beijo grande*